Manejo Integrado de Pragas
Home | Manejo Integrado de Pragas
compartilhar página Manejo Técnico

Manejo Integrado de Pragas

Práticas de manejo

As pragas da cultura são controladas pelo agricultor, com o objetivo de obter alta produtividade, utilizando as melhores práticas para o controle. No entanto, fatores como o estado nutricional da planta, controle de plantas daninhas, uso ou não de regulador de crescimento e estresse hídrico pode influenciar na eficácia de controle para as pragas não alvo e sobre o desempenho das variedades com tecnologia BOLLGARD II RR FLEX™.

Monitoramento Integrado de Pragas

Com o objetivo de buscar sempre alta produtividade, os técnicos responsáveis pelo manejo da cultura, além de realizar as correções de solo, adubação e plantar na melhor época, necessitam também de um bom monitoramento de pragas. O Manejo Integrado de Pragas passa então a ser peça fundamental para alcançar altas produtividades.

A eficácia para o controle das pragas alvo a tecnologia BOLLGARD II RRFLEX™ é o resultado do nível de expressão da proteína Bt dentro de uma variedade e quanto ao nível de suscetibilidade para o controle das pragas alvo à proteína Bt Neste sentido,o monitoramento adequado de pragas alvo e não alvo é essencial para refletir o estado geral e o índice de pragas presentes dentro de um talhão.

O monitoramento de pragas tem o objetivo de auxiliar o produtor a evitar perdas pelo ataque de insetos e/ou ácaros e definir qual a melhor tática de controle caso o nível de controle para os insetos e/ou ácaros seja atingido. Recomenda-se o início do monitoramento antes da semeadura, ou seja, antes da dessecação, monitorando as pragas na palhada.

O monitoramento de pragas alvo e não alvo, é realizado pela metodologia de avaliação visual, na qual todas as partes do dossel da planta (caule, ramos, pecíolos, folhas, brotações, botões florais, flores, maçãs e capulhos) devem ser criteriosamente observadas pelo monitor.

Observa-se que tanto as pragas alvo e não alvo estão presentes nas variedades convencionais e com tecnologias Bt.

Este monitoramento deve ser realizado no interior do talhão, de maneira a distribuir os pontos de amostragem uniformemente e aleatoriamente ao longo da caminhada, garantindo a boa representação do talhão.

Pragas do Algodão durante o Ciclo da Cultura

manejo_integrado_pragas_grafico_bollgard

Decisões sobre Pulverizações

A cultura deve ser pulverizada quando o número de pragas e de danos potenciais causados pelas mesmas atingem um determinado nível de ação, que está abaixo do nível de dano econômico.
É neste sentido que o Manejo Integrado de Pragas passa a ser peça fundamental para definição do momento correto da aplicação. Apesar da excelente proteção conferida pelo BOLLGARD II RR FLEX™ contra as pragas alvo, é necessário realizar contínuo monitoramento da lavoura. Caso seja necessário a aplicação de inseticidas para as pragas alvo em algodão com tecnologia BOLLGARD II RR FLEX™.

segue abaixo a tabela com o nível de controle:

NOME CIENTÍFICO NÍVEL DE CONTROLE NÍVEL DE CONTROLE
Alabama argillacea Até 30-40 DAE: 10% desfolha da planta ou 2 lagartas  por metro. Após 30-40 DAE: 10% desfolha da planta ou 25% desfolha ponteiro ou 2 lagartas  por planta. Até 30-40 DAE: 10% desfolha da planta ou 2 lagartas (>3mm) por metro. Após 30-40 DAE: 10% desfolha da planta ou 25% desfolha ponteiro ou 2 lagartas (>3mm) por planta.
Chrysodeixis includens Até 30-40 DAE: 10% desfolha da planta ou 2 lagartas  por metro. Após 30-40 DAE: 10% desfolha da planta ou 2 lagartas  por planta. Até 30-40 DAE: 10% desfolha da planta ou 2 lagartas (>3mm) por metro. Após 30-40 DAE: 10% desfolha da planta ou 2 lagartas (>3mm) por planta.
Spodoptera eridania Idem curuquerê Idem curuquerê
Spodoptera cosmioides Idem curuquerê Idem curuquerê
Heliothis virescens 6-8% de plantas infestadas (planta com pelo menos uma lagarta 6-8% de plantas infestadas (planta com pelo menos uma lagarta >3mm)
Helicoverpa spp. 6-8% de plantas infestadas (planta com pelo menos uma lagarta) 5-8 lagartas em 100 plantas 6-8% de plantas infestadas (planta com pelo menos uma lagarta >3mm) 5-8 lagartas (>3mm) em 100 plantas
 Spodoptera frugiperda  6-8% de plantas infestadas (planta com pelo menos uma lagarta )  6-8% de plantas infestadas (planta com pelo menos uma lagarta >3mm)
 Pectinophora gossypiella  10 adultos capturados por armadilha de feromônio a cada 2 noites ou até 3-5% de maçãs atacadas  10 adultos capturados por armadilha de feromônio a cada 2 noites ou até 3-5% de maçãs atacadas

 

Insetos Benéficos

Parasitas de ovos: Trichogramma e Microplitis
Predadores de ovos: Joaninhas, Percevejos predadores (Nabis spp., Orius spp. ) e Crisopídeos
Predadores de lagartas neonatas: Aranhas

Mesmo com os níveis mais elevados de insetos benéficos no algodão, ainda serão necessários inseticidas para controlar determinadas pragas não alvo como sugadores e ácaros, tanto no início quanto no final da safra, pois a presença destas pragas pode causar danos econômicos. Os principais percevejos causadores de danos no algodoeiro são os percevejos da cultura da soja (Euschistus heros, Nezara viridula e Piezodorus guildinii) além dos percevejos tradicionais da cultura do algodão (Horciasoides nobilellus e Dysdercus ruficollis), Pulgões (Aphis gossypii), os ácaros Rajado (Tetranychus urticae) e Branco (Polyphagotarsonemus latus) e o Bicudo (Anthonomus grandis) que podem exigir pulverizações específicas. A fim de alcançar o melhor valor da tecnologia BOLLGARD II RR FLEX™, é necessário um monitoramento cuidadoso dessas pragas e ações em tempo hábil para seu controle, minimizando a perda de produtividade. O uso de produtos químicos seletivos no algodão convencional adjacente também é importante, uma vez que a deriva pode afetar os níveis de insetos benéficos nos campos de BOLLGARD II RR FLEX™. O uso criterioso de inseticidas irá minimizar o impacto dessas pragas secundárias na produtividade e lucratividade.
É importante:

  • Evitar o uso de piretroides sintéticos, organofosforados de amplo espectro e carbamatos tanto no algodão BOLLGARD II RR FLEX™ quanto no algodão convencional;
  • Realizar o MIP semanalmente ou a cada 5 dias, verificando os índices das pragas alvo e não alvo de maneira que garanta uma cobertura e representabilidade de toda área;
  • Não pulverizar antes de atingir o nível de ação;
  • Não leve o algodão ao estresse nutricional e ao uso excessivo de regulador de crescimento.
Ensaios
Ensaios
Plantio de Refúgio
Refúgio